Jeremias 32

1. Esta é a palavra que veio a Jeremias da parte do SENHOR, no décimo ano de Zedequias, rei de Judá, no décimo oitavo ano de Nabucodonosor.

2. Naquele tempo, o exército do rei da Babilônia cercava Jerusalém, e o profeta Jeremias era mantido preso no pátio da guarda do palácio real de Judá.

3. Zedequias, rei de Judá, o havia prendido, dizendo: Por que profetizas que o SENHOR declarou que entregará esta cidade nas mãos do rei da Babilônia, que a conquistará?

4. E que Zedequias, rei de Judá, não escapará das mãos dos babilônios, mas certamente será entregue nas mãos do rei da Babilônia e falará com ele face a face, e os seus próprios olhos o verão?

5. E que o rei da Babilônia levará Zedequias para a Babilônia, o qual ficará ali até que eu me ocupe dele, diz o SENHOR? E que ainda que luteis contra os babilônios, não sereis vitoriosos?

6. Então Jeremias declarou: A palavra do SENHOR veio a mim, dizendo:

7. Hanameel, filho de teu tio Salum, virá encontrar-se contigo e dirá: Compra o meu campo que está em Anatote, pois tens o direito de resgate; tua é a responsabilidade de comprá-lo.

8. Então, conforme a palavra do SENHOR, meu primo Hanameel veio encontrar-se comigo no pátio da guarda e me disse: Compra o meu campo que está em Anatote, na terra de Benjamim; porque o direito de herança e resgate é teu. Compra-o para ti. Então entendi que essa era a palavra do SENHOR.

9. Assim, comprei de meu primo Hanameel o campo que está em Anatote. Pesei a prata e paguei-lhe dezessete siclos de prata.

10. Assinei a escritura e a selei. Chamei testemunhas e pesei-lhe a prata numa balança.

11. Tomei a escritura de compra, tanto a escritura selada, contendo os termos e as condições do negócio, como também a cópia que estava aberta,

12. e as entreguei a Baruque, filho de Nerias, filho de Maseias, na presença de meu primo Hanameel e das testemunhas que subscreveram a escritura de compra e de todos os judeus que estavam sentados no pátio da guarda.

13. E dei esta ordem a Baruque, na presença deles:

14. Assim diz o SENHOR, o Deus de Israel: Toma estas escrituras de compra, tanto a selada quanto a aberta, e coloque-as num vaso de barro, para que sejam conservadas por muitos anos.

15. Pois assim diz o SENHOR dos Exércitos, o Deus de Israel: Ainda se comprarão casas, campos e vinhas nesta terra.

16. Depois de entregar a escritura de compra a Baruque, filho de Nerias, orei ao SENHOR:

17. Ah! Senhor Deus! Tu que fizeste os céus e a terra com o teu grande poder e com o teu braço estendido, nada é impossível para ti!

18. Tu usas de misericórdia até mil gerações, mas retribuis o pecado dos pais nos filhos. Tu és o grande e poderoso Deus, cujo nome é SENHOR dos Exércitos.

19. Teus planos são grandiosos, e teus feitos, poderosos. Teus olhos veem todo o procedimento dos homens, a fim de retribuíres a cada um segundo o seu procedimento, segundo merecem os seus atos.

20. Fizeste sinais e maravilhas na terra do Egito, que duram até o dia de hoje, tanto em Israel como entre toda a humanidade; e fizeste para ti um nome como o que tens neste dia.

21. Tiraste o teu povo Israel da terra do Egito, com sinais e maravilhas, com mão forte, braço estendido e com grande terror;

22. e lhes deste esta terra, que juraste a seus pais que lhes daria, uma terra que jorra leite e mel.

23. Vieram e dela tomaram posse; mas não obedeceram à tua voz nem andaram conforme a tua lei. Eles nada fizeram de tudo o que lhes mandaste fazer; por isso tu enviaste sobre eles toda esta catástrofe.

24. As rampas já chegam à cidade para conquistá-la. Ela está entregue nas mãos dos babilônios, que a estão atacando pela espada, pela fome e pela peste. O que disseste se cumpriu. Tu mesmo o vês.

25. Contudo, tu me disseste, SENHOR Deus: Compra para ti o campo por dinheiro e chama testemunhas, embora a cidade já esteja entregue nas mãos dos babilônios.

26. Então veio a palavra do SENHOR a Jeremias:

27. Eu sou o SENHOR, o Deus de toda a humanidade; existe alguma coisa impossível para mim?

28. Portanto, assim diz o SENHOR: Entrego esta cidade nas mãos dos babilônios e nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilônia, e ele a ocupará.

29. E os babilônios que atacam a cidade entrarão, atearão fogo a ela e a queimarão juntamente com as casas sobre cujos terraços se queimava incenso a Baal e se faziam ofertas derramadas a outros deuses, para me provocarem à ira.

30. Pois o povo de Israel e de Judá, desde a sua juventude, tem feito somente o que é mau aos meus olhos. De fato, o povo de Israel não tem feito outra coisa a não ser me provocar à ira com as suas ações, diz o SENHOR.

31. Porque, desde que a construíram, até o dia de hoje, esta cidade tem provocado a minha ira e o meu furor, de modo que eu a eliminarei de diante de mim.

32. O povo de Israel e de Judá me provocou à ira com toda a maldade que praticou, tanto eles como seus reis, seus príncipes, seus sacerdotes e seus profetas, bem como os homens de Judá e os moradores de Jerusalém.

33. Viraram para mim as costas, não o rosto. Ainda que eu os ensinasse com insistência, não deram ouvidos para receber instrução.

34. Mas puseram seus ídolos abomináveis na casa que se chama pelo meu nome, para profaná-la.

35. Também edificaram os altos de Baal, que estão no vale de Ben-Hinom, para queimar seus filhos e suas filhas em sacrifício a Moloque, algo que nunca lhes ordenei, nem me passou pela mente que fizessem tal abominação, para fazer Judá pecar.

36. Portanto, assim diz o SENHOR, o Deus de Israel, acerca desta cidade, da qual dizeis que será entregue nas mãos do rei da Babilônia, pela espada, pela fome e pela peste:

37. Eu os reunirei de todas as terras para onde os dispersei na minha ira, no meu furor e na minha grande indignação; e os trarei de volta a este lugar, e farei que habitem em segurança.

38. Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus.

39. E lhes darei um só propósito e procedimento, para que me temam para sempre, para seu bem e para o bem de seus filhos no futuro.

40. Farei com eles uma aliança eterna: não deixarei de fazer-lhes o bem e porei o meu temor no seu coração, para que nunca se afastem de mim.

41. Eu me alegrarei, fazendo-lhes o bem. E os plantarei com firmeza nesta terra, com toda a minha fidelidade e dedicação.

42. Pois assim diz o SENHOR: Assim como eu trouxe sobre este povo toda esta grande catástrofe, também trarei sobre ele todo o bem que lhe tenho prometido.

43. Campos serão novamente comprados nesta terra, sobre a qual dizeis: Está desolada, sem homens nem animais, entregue nas mãos dos babilônios.

44. Campos serão adquiridos com prata; escrituras, assinadas e seladas; e testemunhas, chamadas na terra de Benjamim, nos lugares ao redor de Jerusalém, nas cidades de Judá, nas cidades da região montanhosa, nas cidades das planícies e nas cidades do sul, porque mudarei o destino deles, diz o SENHOR.